LEIA
 » BOMBARDEANDO
   SADDAM HUSSEIN
 » A RESPEITO DAS
   LENDAS AÇORIANAS
 » O Passageiro
   Clandestino
 » MADEIRA:
   JOÃO JARDIM
 » EM OFF
 » Emigrantes mandam
   menos dinheiro
 » Constituição do TPI
 » Edições Anteriores
 
A RESPEITO DAS LENDAS AÇORIANAS

 

Na sua preciosa série "Tradições, Costumes & Turismo", o saudoso Dr. Carreiro da Costa (1913-81) incluíu um artigo que ora me apraz recordar, e que saíu publicado no "Açoriano Oriental"(então semanário dirigido pelo Dr. Lobato de Macedo) na respectiva edição do fim-de-semana de sábado de 1 de Dezembro de 1973...há já trinta anos!

Servindo-se do título "Para um inventário das lendas açorianas", Carreiro da Costa apelava p'ra uma recolha das lendas relacionadas com os Açores e originadas nessas dispersas ilhas atlânticas, determinando assim aspectos, quer históricos quer fictícios, atribuídos a tais lendas no desenrolar de acontecimentos ocorridos no decurso dos séculos.

Evidentemente que este processo de recolha necessitava um inventário das origens do Arquipélago, sobretudo no que diz respeito á formação vulcânica das ilhas. Embora o vulcanismo constitua uma realidade demonstrada, o certo é que o nosso povo ainda hoje "sonha" com a lendária Atlântida, e na poeira do seu isolamento vislumbra a aparição de grandes gigantes que, vindos de longo, ter-se-iam petrificado nas cristas do oceano.

Seguidamente, como acentua Carreiro da Costa, temos o ciclo do descobrimento das ilhas oferecendo um fascinante leque das lendas abrindo-se em capítulos repletos de episódios a transbordar mistério, poesia e drama.

Reveste-se de particular interesse a exploração das ilhas encantadas, das belezas que nelas abundavam, dos povos que as povoaram e dos cataclismos que as acometeram em épocas e evoluções, que ultrapassam as raias da imaginação. Inesquecíveis, sem dúvida alguma, os ataques perpetrados por corsários e piratas que, igualmente, deram azo a narrativas ainda hoje embebidas em nostalgia. mas ilustrando exemplarmente o rol de perigos enfrentados pelos insulanos.

Dignas de referência as lendas de enseadas a fajãs, montes e vales, igrejas e ermidas, bem como descrições fabulosas de imagens milagrosas, não esquecendo conventos e mosteiros, casa assombradas e encruzilhadas tenebrosas, A origem de certas árvores e animais integra-se, também, no folclore lendário e religioso das ilhas. E na opinião de Carreiro da Costa, o ciclo da baleia nos Açores constitui, só por si, um vasto capítulo de "estórias" e de lendas.

Devido á abundância de casos ocorridos e variedade de notícias transmitidas, o culto do Divino Espírito Santo presta-se adequadamente a uma recolha extraordinária de lendas emocionantes e curiosidades pitorescas.

O apelo de Carreiro da Costa p'ra um possível inventário das lendas açorianas termina coma seguinte mensagem: "Assim haja quem se entregue a tão aliciante como urgente tarefa."

Apraz-me agora revelar que este apelo e mensagem foram concretizados, finalmente, com a publicação do livro AÇORES & OUTRAS HISTÓRIAS, com mais de duas centenas de "títulos" devidamente distribuídos pelas nove ilhas do arquipélago.

Este trabalho, que considero um tesouro da maior estimação, é da inteira responsabilidade da professora picoense D. Ângela Furtado-Brum, natural do Calheta do Nesquim onde nasceu em 1952. É certo que muitos alunos de escolas de todas as ilhas colaboraram na realização deste projecto, mas o crédito na recolha e arranjo dos textos vai inteirinho p'rá ilustre professora.

Tive a felicidade de adquirir o livro (segundo edição, Dezembro 1999) quando o Bernie Ferreira, como já é tradição, me proporcionou nove "boleia" aos Açores através da "California Suntrips".

Ora aconteceu que, no ano 2001, um jornal de Winnipeg (Canada) entrou a publicar uma série de pseudo-artigos com a assinatura e foto dum professor ( ? ) de nome Armindo Santos, versando lendas açorianas. Porém, o estilo da composição fez-me desconfiar que ali havia aldrabice, dado o paralelismo com as obras originais de, entre outros, Armando Monteiro da Câmara Pereira e Teotónio Machado de Andrade. Mas pouco depois, com a aquisição do supracitado livro de Ângela Furtado-Brum, verifiquei que o indivíduo era um desavergonhado plagiário a copiar ipsis verbis textos publicados em "Açores, Lendas & Outras Histórias", sem nunca usar da cortesia em dar o devido crédito ás "fontes de origem".

De imediato, informei a redacção do jornal àcerca da situação do fraudulento colaborador. Em troca e compensação, cessaram o envio do jornal e amortalharam a publicação das minhas crónicas...Pois Alevá!



Copyright © 2003, VOICE Luso Canadian Newspaper Ltd. First Luso Canadian Paper to Jump on the Net! For more information contact [email protected]
 
Toronto,
24/Março/2003
Edição 773

ANO XXIII

 
      Por: Ferreira Moreno


 

 

  Desenvolvimento - AW ART WORK