LEIA
 » UM GRANDE
   "BARRETE"
 » SANTO ANTÓNIO
   E O PÃO DOS POBRES
 » A LUTA CONTRA
   O S.A.R.S.
 » EM OFF
 » CRÓNICA PICOENSE
 » Edições Anteriores
 
A LUTA CONTRA O S.A.R.S.

Enquanto durar o surto desta nova forma de pneumonia atípica, chamada S.A.R.S (Sindroma Respiratório Agudo Grave), publicarei, enquanto for oportuno alguns factos actuais sobre este assunto, que nos interessa a todos.

Informação recente, oriunda do departamento de saúde pública da cidade de Toronto, indica que todos os casos de S.A.R.S. nesta cidade, foram devidos a contacto ou com trabalhadores do serviço de saúde, ou com pessoas que visitaram as áreas do Oriente aonde a doença começou, como Hong Kong. e a província de Guang Dong na China.

Pode-se afirmar, que as possibilidades de contrair esta doença são mínimas, para a população em geral, especialmente os luso-canadianos. A única pessoa que eu conheço que esteve nesses países, sou eu, e isso aconteceu há mais de dez dias, o que segundo as autoridades de saúde pública é o período em que as pessoas podem ser contagiosas. O leitor tem mais possibilidades de ganhar a sorte grande, do que contrair S.A.R.S..

* Outra notícia, é que a rapidez com que a doença estava a aumentar, parece estar a tornar-se estável ou até a diminuir. Tudo leva a crer, que o S.A.R.S. como todas as doenças que chegam de novo a um sítio, começou com grande força, mas está agora a entrar na fase em que se espalhará mais lentamente. Claro que isto não é razão para não termos cuidado e não seguirmos as instruções das autoridades de saúde pública.

* - O uso de máscaras, é apenas aconselhável àqueles a quem a saúde pública recomendou esta medida de precaução tais como certas pessoas trabalhando nos hospitais e ambulâncias e aqueles que estão de quarentena em casa quando estiverem no mesmo quarto que seus familiares.

Estudos feitos num instituto duma universidade americana especializada no assunto, para um programa de televisão da radiofusora nacional do Canadá, a CBC, mostraram que as máscaras vulgares, e que são usadas pelos dentistas apenas protegem contra 13% dos micróbios. Quanto às máscaras chamadas industriais, como as que usam muitas pessoas que trabalham com certos materiais e poeiras apenas dão uma protecção de 62%. As únicas máscaras de confiança, são as usadas para a tuberculose, com a designação de N9S, como a que eu estou a usar na fotografia.

Assim, essas pessoas que andam com máscaras do tipo das usadas pelos dentistas, pela rua não só estão a fazer uma figura ridícula, mas não se estão a proteger, tanto mais que os cientistas nos dizem que para transmitir o S.A.R.S. é preciso "close contact"(contacto próximo), isto é menos de um metro de distância entre a pessoa infectada e os que estão à volta dela..

Neste, como noutros assuntos, devemos seguir a opinião dos peritos e não usar máscaras, a não ser que eles sejam recomendadas, pelas autoridades de saúde pública.

Iremos publicando esta coluna, à medida que apareçam novidades e novos problemas relacionados com o S.A.R.S..
Os leitores, estão convidados a contactar-me com perguntas, opiniões ou sugestões sobre este assunto.



Copyright © 2003, VOICE Luso Canadian Newspaper Ltd. First Luso Canadian Paper to Jump on the Net! For more information contact [email protected]
 
Toronto,
14/Abril/2003
Edição 776

ANO XXIII

   
    Dr. Tomás Ferreira

  

 

 

  Desenvolvimento - AW ART WORK