LEIA
 » S.A.R.S. E A POLÍTICA
 » NOVAS DA SENHORA
   DA BOA VIAGEM (2)
 » UM ESCÂNDALO COM
   ADOLESTECENTES
 » DESABAFO DE
   UM EMIGRANTE
 » Emigrantes
   Ribeiragrandenses
 » TAP e a política
   da emigração.
 » ANEDOTAS
 » CRÓNICA PICOENSE
 » Edições Anteriores
 
Emigrantes Ribeiragrandenses homenageados

OA Câmara Municipal da Ribeira Grande realizou a Cerimónia Evocativa do 50º Aniversário da Emigração Açoreana, presidida pelo Presidente da Assembleia da República, Doutor Mota Amaral, no Teatro Ribeiragrandense, na noite da passada quinta-feira.

Uma forma de a autarquia se associar às comemorações do cinquentenário oficial da chegada dos primeiros emigrantes micaelenses ao Canadá, uma data que se tem prolongado ao longo de todo o ano de 2003 por diversas localidades quer do Canadá quer dos Açores.

Na ocasião foram homenageados os 3 emigrantes do concelho que i ntegraram o primeiro contigente de 18 micaelenses embarcados em 8 de Maio de 1953 e que cruzou o Atlântico no navio Saturnia, em direcção a terras canadianas, designadamente a Halifax, onde chegou a 13 de Maio desse ano. Foram homenageados, Guilherme Cabral, natural da freguesia da Matriz, a título póstumo e ainda Afonso Tavares, da freguesia de Rabo de Peixe e João Martins, da freguesia de São Brás.

O chefe da edilidade Ribeiragrandense, António Pedro Costa, começou por lembrar que «quem nunca emigrou, nunca poderá avaliar convenientemente o custo de uma partida forçada e o haver da intensa dor da ausência, arrancada das entranhas de uma terra, que lhe fica emprestada e a prazo. Quem nunca emigrou, não poderá perceber a importância da força dos acordes maviosos do hino do Divino, que dilaceram qualquer toada de um coração ensanguentado ou avaliar a intensidade do olhar do Ecce Homo micaelense, que arrebata e magoa, mesmo fisicamente, quem está longe destas nossas ilhas de mar imenso» . De seguida o autarca nortenho frisou que «importa preservar a memória portuguesa com a criação do Museu dos Pioneiros», e considerou «que a melhor forma de homenagear a epopeia da nossa comunidade residente no estrangeiro, será a concretização do Museu do Emigrante, entretanto já delineado» na Ribeira Grande. Ainda sobre esta matéria, o edil, acrescentou que «com a candidatura no próximo mês de Agosto das obras na antiga da Casa da Maternidade da Ribeira Grande, dá-se um passo decisivo na materialização desta ideia».

Ainda durante a Cerimónia Evocativa do 50º Aniversário da Emigração Açoreana, foi lançado o livro «A Presença Portuguesa no Canadá: Um Perspectiva de Cinco Décadas» do Prof. Dr. José Carlos Teixeira.

Na ocasião, a edilidade nortenha inaugurou também uma exposição com parte do espólio oferecido ao Município pelo Doutor João Bosco Mota Amaral, uma mostra que estará patente até ao final do mês e que integrará o futuro Museu do Emigrante.





Copyright © 2003, VOICE Luso Canadian Newspaper Ltd. First Luso Canadian Paper to Jump on the Net! For more information contact [email protected]
 
Toronto,
21/Julho/2003
Edição 790

ANO XXIII

   
       

  

 

 

  Desenvolvimento - AW ART WORK