LEIA
 » CONVERSANDO COM
   OS LEITORES ...
 » NOVAS DA SENHORA
   DA BOA VIAGEM (3)
 » COMUNICADO DA
   COMISSÃO POLÍTICA
   DO PSD DA
   PRAIA DA VITÓRIA
 » Rabo de Peixe
 » O 17º CICLO DE
   CULTURA AÇORIANA
 » A DRA. BERTA CABRAL
   EM TORONTO
 » Dia dos Avós
 » CRÓNICA PICOENSE
 » Edições Anteriores
 
Dia dos Avós

Sintra - Cerca de mil avós e netos reuniram-se na Quinta dos Cedros, Linhó, num chá dançante promovido pela Câmara Municipal de Sintra para celebrar o Dia dos Avós, que foi assinalado no sábado, dia 26 de Julho.

A festa, já na segunda edição, pretendeu “proporcionar uma ponte entre os avós e os netos, entre o passado e o futuro”, salientou o presidente da Câmara Municipal de Sintra, Fernando Seara, que considera que, “cada vez mais, as autarquias têm a responsabilidade de criar mecanismos de solidariedade”.

Apesar de Sintra ser um dos concelhos mais jovens do país, “em algumas freguesias, a terceira idade já tem um peso importante”, pelo que o autarca garante que a experiência, que reúne cerca de 50 associações, lares e colectividades do concelho, será repetida, até porque “as grandes obras das autarquias são de integração e agregação social e são mais importantes que outras obras emblemáticas”.

Distribuídos por dezenas de mesas, os cerca de mil avós e netos almoçaram e dançaram ao som de uma banda que interpreta músicas dos anos 50 e 60, ingre-dientes perfeitos para agradar a miúdos e graúdos.

“Parecera um casamento. Foi uma festa maravilhosa. Quando cheguei aqui e vi uma passadeira ver-melha à entrada, até comecei a rir à gargalhada”, contou à Lusa Lurdes Frazão, 61 anos.

Com onze netos, afirma que participa nesta iniciativa principalmente para dançar. “Sou doente por dançar. Quando há baile, vou sempre”, garante.

Também pronta para um pé de dança, Amélia Galinha, 72 anos, com quatro netos e seis bisnetos, agarra duas crianças, uma por cada mão, e ensina-as a dançar, até porque “antigamente é que se dançava bem, hoje em dia a juventude não sabe dançar”.

A senhora “menos jovem” presente na festa, Helena Gerturdes, conta já 93 primaveras e uma família numerosa: seis filhos, treze netos, cinco bisnetos e quatro tris-netos.

A idade já não ajuda a dançar, mas sempre que pode, participa em convívios e festas, iniciativas que considera ideais “para quem tem saúde e ainda pode andar”. Desta vez, Helena Gertrudes trouxe a bisneta Irina, com 12 anos, que apesar de não saber que se comemorava o Dia dos Avós, prometeu oferecer um desenho à bisavó, a quem gosta “fazer companhia”.

Fernanda e Licínio Albuquerque, 65 e 64 anos, participam frequentemente em almoços e iniciativas dirigidas à terceira idade, mas gostavam que houvesse “ainda mais passeios e convívios como este, que está perfeito”.

A neta, Ana Rita, nove anos, costuma passar alguns dias das férias com os avós, com quem gosta de passear.

Para incentivar os idosos à dança, Aida Príncipe e João Silveira, veteranos dos Alunos de Apolo, deslizam pela pista de dança.




Copyright © 2002, VOICE Luso Canadian Newspaper Ltd. First Luso Canadian Paper to Jump on the Net! For more information contact [email protected]
 
Toronto,
28/Julho/2003
Edição 791

ANO XXIII

   
   
   
  

 

 

  Desenvolvimento - AW ART WORK