LEIA
 » Não seja
   como os ursos
 » Encontro de férias na
   mantenha do Pico
 » Aviação portuguesa
   em risco de
   despromoção
   pelos EUA
 » "Desânimo total"
   entre comércio
   de Ponta Delgada
 » Termas do Vale
   das Furnas
 » Cooperativas de
   lacticínios dos Açores
 » Governo Açoriano
 » CRÓNICA PICOENSE
 » Edições Anteriores
 
NÃO SEJA
COMO OS URSOS

A ideia para este artigo, surgiu-me no domingo passado, quando durante a minha habitual visita semanal às áreas de esqui ao norte de Toronto, acabara de subir um monte enorme, que tem o nome "the wall" (a muralha). Como é sabido existem duas qua-lidades de esqui, o alpino (down hill) e o nórdico (cross-country). Enquanto na primeira se atinge o topo dos montes usando uma cadeira ou outro tipo de elevador, accionados por electricidade, e o único exercício consiste em descer, muitas vezes depois de ter esperado numa bicha enorme, na segunda qualidade usando pistas marcadas nos campos e matas, o esquiador, em contacto com a natureza, apenas usa o esforço físico para subir, descer ou andar nas áreas planas. A embirração que tenho pelas bichas, a possibilidade de fazer mais exercício e a de estar mais em contacto com a natureza, fizeram que nos últimos anos me tenha dedicado, cada vez mais ao esqui nórdico, a ponto de poder afirmar que a não ser que surjam actividades a que não posso faltar, como certos baptizados ou como vai suceder esta semana a assembleias gerais, no Inverno vou todos os domingos dedicar-me ao meu desporto favorito desta época do ano. Claro que com isto perco muitas vezes a possibilidade de ver na televisão certos jogos de futebol como o Sporting - Benfica, mas como não sou um desportista de sofá, os tais que se sentam a ver os profissionais praticar em vez de eles próprios se me-xerem, tenho de sa-crificar o gosto de assistir a um jogo de futebol, a poder praticar um desporto de que muito gosto e à possibilidade de estar em contacto com a natureza. Talvez se um dia, dentro de dez ou vinte anos, me reformar tenha tempo de ver os jogos ao domingo e fazer esqui durante a semana. Voltando ao princípio da minha história, aquilo que me fez escrever este artigo, foi o facto de eu ter chegado ao topo da tal montanha chamada a muralha, a suar em bica.
Realmente eu poderia ter usado a técnica usada, quando se faz o exercício ao frio que consiste em abrir um fecho éclair de uma das diferentes peças de vestuário que levava, mas para não perder o balanço e a coragem de subir a tal "muralha", só parei no cimo.
Assim quando no topo do monte, a suar tanto como depois de correr uns quilómetros, em pleno Verão de Toronto me lembrei da resposta que muitas vezes as pessoas me dão, quando lhes recomendo que façam exercício - está muito frio para sair de casa.
Na realidade, com Invernos durando 4 ou 5 meses no Canadá, se tivermos medo do frio ficaremos imobilizados em casa, uma boa parte do ano. Neste país, muita gente - sejam eles luso-canadianos, ou canadianos de outras origens, faz como os ursos que du-rante o Inverno vão para o buraco, não se mexem, e passam os meses do frio a fazer uma grande soneca ou para usar o termo científico a hibernar.

FAZER EXERCÍCIO
Cada vez mais estudos científicos, demonstram que o fazer exercício é bom para a saúde ajudando na prevenção duma longa lista de doenças, que vai desde a osteoporose (fraqueza dos ossos) até à diabetes do tipo 2, incluindo ataques de coração, tromboses, vários cancros especialmente o do seio, depressão, tensão alta, envelhecimento, etc. Também outros estudos mostram que no Canadá o número de pessoas que não praticam exercício físico continua muito alto ao mesmo tempo que a obesidade, diabetes tipo 2 e outras doenças relacionadas com a falta de actividade física, continuam a aumentar. Interessante de notar, que a classe médica também tem uma certa culpa. Um estudo apresentado numa reunião a que assisti na Faculdade de Medicina em Toronto, mostrava que apenas 30% dos médicos de família se davam ao trabalho de incitar os seus pacientes a fazer exercício físico. As razões para isso, são várias, mas talvez tenha influência o facto que semelhante actividade não é paga pelo O.H.I.P.... QUE FAZER? Para aqueles, que realmente detestam actividades ao ar livre durante o Inverno ou que têm razões médicas para o fazer, existem várias actividades as quais hoje mencionarei como andar num centro co-mercial (alguns abrem as portas mais cedo apenas para o público fazer exercício), entrar para um clube ou um programa num centro comunitário, comprar uma biciclete estacionária (as que não saem do mesmo sítio), adquirir uma passadeira (threadmill), fazer natação ou ginástica aquática, etc, etc. E talvez noutro artigo abordemos o assunto . Voltando às actividades ao ar livre e como é obvio, a primeira coisa a tomar em conta quando se vai fazer exercício no exterior, é a roupa. Como disse no princípio deste artigo, se uma pessoa estiver agasalhada como deve ser, vai ter calor e não frio. A propósito quando a temperatura está muito baixa e se tem frio, deve-se parar imediatamente, uma vez que nessas condições o corpo não aquece, mas esfria. Uma "voltinha para aquecer", apenas funciona com temperaturas ligeiramente baixas, quando elas vão para baixo dos 10º centígrados, como sucede no Canadá, se uma pessoa está equipada propriamente e continua a ter frio, apesar do exercício, deve parar e aquecer-se.
Na prática, especialmente no sul do Ontário aonde vivemos, a situação mais comum é suarmos com calor e não bater o queixo com frio, quando estamos a fazer exercício ao ar livre.
A melhor forma de protecção, é usar várias camadas de roupa, sendo a última, de qualquer material que proteja contra o vento, o tal famoso "windshield factor", que faz com que uma temperatura que no termómetro é de 2 graus positivos atinja o nosso corpo, como se fosse 12 ou 20 negativos.
As áreas mais importantes para proteger, são a cabeça incluindo as orelhas, as mãos com boas luvas ou de preferência "mittens" (luvas sem dedos). Outra forma de se proteger as mãos é usar dois pares de luvas, existindo umas especiais, para usar junto à pele.
Outra área importante de proteger, especialmente para as pessoas que passam a meia idade ou sofrem do coração é o pescoço, e a parte da frente do peito. Quanto aos pés que não precisam de grande protecção se a pessoa estiver a correr ou andar, necessitam de calçado especial em certas actividades em que estão imobilizados como o andar de biciclete.
Muitas vezes quando a temperatura desce para 10 ou 20 graus negativos, uso umas botas especiais, que se vendem nas casas de artigos desportivos.
Quando está vento e frio, uma "balaclava" (máscara que deixa apenas os olhos à mostra) e óculos de esqui são aconselháveis. A propósito, lembra-me que existia, junto ao meu consultório, uma pequena loja que como muitas semelhantes, pertencia a uma pessoa de origem oriental, possivelmente coreana.
Uma vez, numa noite de Inverno, tendo acabado o meu trabalho, e já pronto a seguir na minha biciclete para casa, resolvi entrar na tal loja, para comprar um jornal. Quando o pobre homem me viu entrar com a tal máscara, ficou aterrorizado. Para não assustar o homem e vá lá também com receio que ele tivesse algum taco de baseball atrás do balcão, tirei logo a máscara muito depressa.
A propósito de máscara, certas pessoas, a fim de evitarem respirar com o ar frio usam também um cachecol ou cobrem a boca com a tal "balaclava". Se as coisas estiverem a correr bem, o atleta que vai para o frio deve sair de casa, a sentir-se bem quente, começar a sua actividade e aquecer ainda mais, altura em que pode reduzir a sua temperatura, abrindo os diferentes fechos da sua roupa ou se não estiver muito frio tirar uma luva ou até as duas.
De qualquer forma, aqueles que tiverem alguma doença ou uma idade avançada, deverão consultar o seu médico, ou pedirem a ele que os envie a um centro de medicina desportiva, para avaliarem a sua condição física, tanto mais que muitos médicos especialmente os de uma certa idade ou formados em certos países, pouco sabem de medicina desportiva. Finalmente, uma actividade ao ar livre que nunca deve ser praticada por idosos ou pessoas que sofrem do coração, é limpara a neve usando uma pá. Dezenas de pessoas, morrem no Ontário todos os anos, praticando este "desporto".

FAÇA ALGUMA COISA
Ou aventurando-se ao frio, e o leitor se experimentar verá que gosta mais de estar ao ar livre do que encerrado num ginásio ou na sua casa, aconselho o leitor a fazer exercício físico durante o Inverno.
Quando os médicos aconselham actividade física, não se referem apenas aos poucos meses do ano em que temos Verão no Canadá, mas aos 365 dias do ano. Caro leitor ou leitora, não seja como os ursos, que passam o Inverno metidos a dormir num buraco, faça exercício.



Copyright © 2004, VOICE Luso Canadian Newspaper Ltd. First Luso Canadian Paper to Jump on the Net! For more information contact [email protected]

 
Toronto,
19/Janeiro/2004
Edição 813
ANO XXV

 

   
     Escreveu
    Dr. M. Tomás Ferreira

   

   


 

 

  Desenvolvimento - AW ART WORK