LEIA
 » FÉRIAS
 » PORCOS
   E CURIOSIDADES
 » Emigrandando
 » Seguradoras Nunca
   Perdem
 » Angra do Heroísmo
 » Vem ao Banco,
    Vai ao Rock!
 » MNE investiga
   alegadas
    irregularidades
   de vice-cônsul
   em França
 » EM OFF
 » Ribeirinha - S.Miguel
 » CRÓNICA PICOENSE
 » Edições Anteriores

 
Emigrandando

 

Bem aventurados quantos, por imperativo da côdea, forçados ao abandono pátrio em busca de farturinha (sobre)vivencial, reafirmam pujantes «ou procuram fazer crer que» na vivência estran-geirada não lhes falta absolutamente nada.
A pujança, a altivez dos que não sofrem padecimentos da ausência também serve de refugio para resguardar, silente, as agruras desta solidão apátrida.
Sim. Dizia o filósofo que sentia no âmago a relação integra e consubstanciai ,entre a alma e a mátria: " quem da pátria se aparta, de si se aparta".
Ninguém contesta, por verídica, a expressão bíblica " nem só de pão vive o homem " Não é menos verdade que a sua carência obriga a silentes tormentos espirituais, por exemplo : o exílio.
Significa isto que, tanto a carência de pão mátrio como a sua abundância em solidão na estranja podem ser igualmente tormentosas. No emigrante coexistem condições (sobre) vivenciais que culminam em duas brechas que, embora aparentemente antagónicas, (pátria-pobreza, estrangeiro-riqueza) se complementam em duas paralelas amarguras. Supre-se o tormento da carência do pão na nostalgia da exclusão forçada, por outras palavras: apazigua-se uma carência, criando uma outra , porventura, em nada menos tormentória.
De volta a Portugal. O sol alumia um arado esquecido num recanto do alpendre. As teias de aranha repousam no seu imobilismo e reflectem a policromia da luz coada através da admirável obra de tecelagem.
O aroma da rama de euclipto, um molho de erva , uma foicinha entalada no vime que serviu de corda, um podão dependurado na parede, tempo-concâvo, de adobes, lenha geometricamente empilhada , arcos de barril enferrujados. Uma salgadeira arcaica, inchada, extravasa em humidade , odores de salga e aguarda o seu fim.
Cepos de pinheiro, um machado, caruma, o cacarejar triunfal da galinha que festeja a glória de seu ovo, tudo isto induz à serenidade do tempo em que Portugal se entrelaçou na alma e a vida era uma sinfonia em consonância perfeita com a própria natureza humana..
Uma trança de cebolas, enrolada em forma de morcela gigante e, logo o rosto do meu avô, se le-vanta na memória a entrançá-las. Com seu patriarcal bigode, mãos terrosas, dignidade de serrano altivo, no sótão, em dia chuviscoso, enquanto eu desfrutava a música da chuva no telhado e aca-bara de me defrontar com uma malgarrona de sopas de leite e côdeas de boroa, num tempo em que a manteiga e o café eram luxurias de aldeão.
Minha avó, tinha um cuidado que era um desvelo exacerbado pelo neto, deixava sobre a mesa com toalha de alvo linho ,a malga de leite, acabado de mugir, pela madrugada, antes de ir ao monte fazer o seu molhão diário de carqueja, urzes e caruma.
Na modorra da manhã, as laranjeiras e limoeiros escorriam a água das chuvas e o boralho estralejava cascas de eucalipto e ramagem de pinheiro. De longe a longe, as ovelhas habituadas ao monte, clamavam em implorantes balidos contra o excesso de curral. E havia a Ti Baeta , serenidade que se lia no rosto, tal livro aberto, embrulhada no seu mandil. Com com sua roca fiava o linho enquanto pastoreava seu rebanho de meia dúzia de ovelhas e dois cabritos mais azougados que à mais leve estridência desatinavam a espinotear.
Não havia ruídos para além de um fio de vento que transmitia às folhas de um enorme carvalho um terno rumorejar que se acasalava em sinfonia com o cântico da fonte no fundo de uma ribança, ali a uma dúzia de côvados onde a água cantarolava por entre a sombra dos vinhedos a alegria de jorrar nos cântaros e dessedentar os milheirais.



Copyright © 2004, VOICE Luso Canadian Newspaper Ltd. First Luso Canadian Paper to Jump on the Net! For more information contact [email protected]
 
Toronto,
22/Março/2004
Edição 822
ANO XXV

 
    Por Barbosa Tavares

 

 

 

 

  Desenvolvimento - AW ART WORK