LEIA
 » INJUSTO, IMORAL
   E MAIS CARO
 » BANANAS & LARANJAS
 » FESTAS DO
   ESPÍRITO SANTO
 » PRIMEIRO FESTIVAL
    CULTURAL
   PORTUGUÊS
   EM MISSISSAUGA
 » Açores com menos
   filhos fora
   do casamento
 » A MINHA NOTA
 » EM OFF
 » Universidade
   dos Açores
 » CRÓNICA PICOENSE
 » Edições Anteriores
 
BANANAS & LARANJAS

 

No seu "Breviário da Bahia", publicado em 1945, o brasileiro Afranio Peixoto diz-nos que a bananeira é uma planta asiática e o nome "banana" é africano. Mais ainda, com base nos escritos dum frade franciscano, a bananeira foi a lendária árvore da ciência do paraíso terreal celebrado na Bíblia, e a banana o fruto que a mãe Eva usou p'ra tentar o pai Adão.

P'ra benefício do leitor incrédulo, aqui vai o testemunho do naturalista e explorador Rumphius (George Eberhard Rumpf, 1628-1702), que deixou dito a respeito da banana: Cujus adspectu Eva in effrenam cupiditatem instigata fruit.

Quanto à narrativa do Génesis apontando que Adão e Eva "coseram folhas de figueira e fizeram para si cinturas", sinto-me mais inclinado em apontar que, por serem mais longas e lisas, e muito mais confortáveis, as tangas de Adão e Eva foram feitas com folhas da bananeira... ao contrário das folhas da figueira, que provocam comichões e cócegas.

Os portugueses chamavam outrora às bananas "figos" (figos da Índia), e os espanhóis ainda hoje dão às bananas o nome de "plátanos". Foram os portugueses, igualmente, que trouxeram a banana p'rá África, "e a introdução na ilha de S. Tomé deu, ecológicamente, a banana de S. Tomé, variedade depois trazida p'ró Brasil, onde conserva seus caracteres de mutuação".

A Encyclopedia Britannica (Volume III) confirma que a bananeira é de origem asiática, enquanto o nome banana é de origem africana. A antiguidade da bananeira remonta às expedições de Alexandre através da Índia, e logo após a descoberta da América a banana, vinda das ilhas Canárias, chegou ao Novo Mundo e foi inicialmente plantada em Hispaniola, donde se estendeu às outras ilhas e continente.

Encostei-me à bananeira,
Das folhas fiz um encosto;
Tenho visto caras lindas,
Só tu foste a do meu gosto.

Dos teus braços um abraço,
Da tua boca um beijinho,
Da banana qu'estás comendo,
Dá-me dela um pedacinho.

Plantei no meu quintal
Bananeira já crescida;
Se por mim perderes a alma,
Eu por ti perco a vida.

Toma lá esta banana,
Tira-lhe o miolo que é tua,
Da casca faz uma barca,
Embarca p'rá minha rua.

E aqui fica o conselho:
"Quem quiser comer bananas
Vá ao pé da bananeira
Vá comendo, vá gostando
Vá metendo na cevadeira".

Com respeito às laranjas, é novamente Afranio Peixoto quem nos informa que "a laranja vem do sânscritonagrungo, que deu no hindustani narungee, de onde o espanhol naranja e o português laranja. Por sua vez, orange (quer em inglês, quer em françês) avizinha-se da assimilação do latim aurum (ouro)".

Peixoto prossegue: "A laranja seria o pomo de ouro cultivado, segundo a mitologia mediterrânea, no Jardim das Hespérides, além do Atlas, das Colunas de Hércules, guardadas por um feroz dragão, por serem tão preciosas, como seriam nos Açores, as Ilhas Fortunadas, perto do território da Atlântida".

A pátria da laranjeira parece ter sido a fronteira norte da Índia, e foram os antigos árabes que a trouxeram p'ró Mediterrâneo. Porém, foram os portugueses que, nas suas viagens depois do Renascimento, vulgarizaram a laranja pelo Ocidente. E a prova, confirma Peixoto, "é que hindus mao-metanos e árabes modernos, no Oriente, chamam à laranja portughan, e na Itália as laranjas são, ainda hoje, chamadas portogalli".

As laranjas foram trazidas p'rá Guiné e Cabo Verde, onde as naus, a caminho da Índia, se proviam delas, podendo-se assim dizer, sem exagero, que os portugueses descobriram as vitaminas. De facto, os portugueses foram disseminadores das árvores prestadias pelo mundo, universalizando a natureza regional pela ecologia ou afeiçoamento ao meio, e tornada universal. Portanto, "não será espirituosa senão etimológica esta frase: os portugueses tornaram católica (universal) a natureza".

Peixoto acentua, ainda, esta curiosidade: "Se a Índia deu ao mundo a laranja silvestre, a Bahia deu a laranja civilizada, ou seja, a laranja de umbigo, mais tarde transplantada p'rós Estados Unidos, com o nome corrente de "navel", que significa precisamente umbigo".

É históricamente certo que foram os missionários franciscanos espanhóis os primeiros a plantar laranjeiras na Califorlândia, mas na opinião de Afranio Peixoto, o respectivo incremento comercial dos laranjais californianos deve-se à laranjeira baiana. Em 1889 foi criado, na Califorlândia, o condado ou concelho ORANGE, que nada tem a ver com laranjais. O termo toponímico resultou apenas duma promoção p'ra estimular e atrair a migração de novos povoadores e futuros residentes.

Deixo-vos com esta quadra:

"Eu parti uma laranja
Metade deitei-a fora
Da outra fiz um navio
Embarca, vamos embora".



Copyright © 2004, VOICE Luso Canadian Newspaper Ltd. First Luso Canadian Paper to Jump on the Net! For more information contact [email protected]
 
Toronto,
14/Junho/2004
Edição 834
ANO XXV

 
      Por Ferreira Moreno

   


 

 

  Desenvolvimento - AW ART WORK